Idanha, a terceira cria nascida em Portugal nos últimos 40 anos, iniciou a sua dispersão

O Abutre Preto é uma espécie em perigo crítico de extinção em Portugal como nidificante. É por isso uma boa notícia a evolução de "Idanha", a terceira cria de abutre-preto nascida em território nacional nos últimos 40 anos, mais concretamente no Parque Natural do Tejo Internacional, que já começou a fazer voos para fora da colónia onde nasceu.

 

A extinção nos anos 70

O Abutre-preto extinguiu-se como nidificante em Portugal no início da década de 70, devido á perseguição que foi alvo e ao uso de venenos. A destruição de habitat de nidificação também deverá ter contribuído para a sua extinção em Portugal. No entanto, a espécie manteve-se presente na faixa fronteiriça das regiões centro e sul com indivíduos provenientes de Espanha onde existe uma população de 1845 casais. A espécie voltou a nidificar em Portugal com sucesso em 2010. Actualmente a espécie nidifica apenas num único local em Portugal, no Tejo Internacional.

 

Espécie Nidifica no Parque Natural do Tejo Internacional

Este ano a colónia mantêm-se com três casais, sendo que apenas em dois deles foi possível confirmar a sua nidificação. Os abutres estão a nidificar numa zona de caça, provando que e possível compatibilizar a Caça com a Conservação da Natureza, quando a lei e as boas práticas de gestão cinegética são aplicadas.

 

Dos dois casais confirmados um dos ninhos caiu no inicio da época de reprodução, tendo perdido a postura. O outro casal, a nidificar numa plataforma ninho construída no ano passado, conseguiu realizar a postura e incubação com sucesso, tendo nascido uma cria em Abril. Esta cria, a terceira cria de abutre negro nascida em território nacional nos últimos 40 anos, foi “baptizada” com o nome Idanha em homenagem ao concelho onde nasceu.

 

Principais Ameaças

Actualmente as principais ameaças á conservação desta espécie são o uso ilegal de venenos, a perturbação durante o período reprodutor nas zonas de nidificação e a redução de alimento disponível nos campos. Depois do surto deEncefalopatia Espongiforme Bovina(EEB, mais conhecida como doença das vacas loucas), aEU criou um conjunto de novas normas sanitárias que tornou quase impossível aos criadores de gado manterem carcaças no campo, ao alcance dos necrófagos. Esta situação traduziu-se numa redução drástica do alimento disponível para os abutres, com consequências potencialmente graves para esta espécie ameaçada.

 

Vigilância da Colónia e Acções de Conservação

Nesta área do Tejo Internacional a Quercus está a implementar diversas acções de conservação, dirigidas ao abutre-preto e outras espécies em perigo, de forma a eliminar ou minimizar os factores de ameaça. Foi criada uma equipa de vigilância e assistência veterinária com o objectivo de permitir que a colónia se mantenha e possa aumentar. Actualmente a Quercus está seguir três Abutres-pretos via satélite, de forma a conhecer melhor a ecologia da espécie e monitorizar os seus movimentos diários. Está também a implementar diversas acções de conservação contra o uso ilegal de venenos através Projecto LIFE- Inovação contra envenenamentos e a disponibilizar regularmente alimento em dois Alimentadores de Abutres.

 

 

 

Share

Quercus TV

 

Espreite também a Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb