Lâmpadas fluorescentes já podem ser recicladas em Portugal

Entrou em funcionamento a primeira unidade de reciclagem de lâmpadas fluorescentes em Portugal, sendo a partir de agora possível tratar de forma adequada este tipo de resíduos.

 

pastedGraphic.pdf

Com a entrada em funcionamento, em Setúbal, da primeira unidade de reciclagem de lâmpadas e resíduos com mercúrio em Portugal, já é possível dar um destino adequado a este tipo de resíduos no nosso país. Com efeito, até ao momento, só através do envio para exportação é que se podia garantir a reciclagem deste fluxo de resíduos.

 

Lâmpadas poluem o ambiente

 

A colocação em aterro ou a incineração de lâmpadas com mercúrio não são destinos adequados, uma vez que originam poluição da água e do ar com mercúrio. 

 

O mercúrio é um metal pesado extremamente tóxico que pode originar danos permanentes nos rins, cérebro e no desenvolvimento dos fetos.

 

Actualmente produzem-se por ano em Portugal cerca de 10 milhões de lâmpadas com mercúrio (ou lâmpadas fluorescentes}, as quais na sua esmagadora maioria são enviadas para aterro e incineração, sendo uma pequena quantidade exportada. É comum ver-se este tipo de lâmpadas serem misturadas nos caixotes do lixo ou mesmo nos ecopontos.

 

De um modo geral, a recolha deste tipo de lâmpadas é feita de forma inadequada, levando à sua quebra e originando a libertação de mercúrio para o ambiente. Verifica-se mesmo que as próprias industrias, grandes produtores destes resíduos, acabam por misturá-las com os resíduos equiparados a urbanos.

 

Em 2000, das cerca de 2000 unidades industriais que declararam a produção dos seus resíduos, apenas 50 identificaram as lâmpadas como um resíduo específico. As restantes misturaram-nas com os outros resíduos impossibilitando a sua recolha e reciclagem.

 

Atraso na aplicação de legislação na origem do problema

 

As lâmpadas contendo mercúrio estão incluídas no anexo 1, categoria 2 do Decreto-lei n.º 20/2002 de 30 de Janeiro sobre resíduos de equipamento eléctrico e electrónico que obriga as empresas que colocam estes produtos no mercado a suportar os custos da recolha e reciclagem através de um sistema tipo Ponto Verde.

 

No entanto, o sistema que já deveria estar a funcionar desde Maio de 2002 ainda não foi constituído, pelo que as lâmpadas não são separadas e tratadas, acabando por contribuir para a disseminação do mercúrio no ambiente.

 

Também a Directiva sobre resíduos de equipamento eléctrico e electrónico já aponta metas para a reciclagem deste tipo de resíduos.

 

Como é feita a reciclagem das lâmpadas

 

Para que o mercúrio não se perca, é necessário, em primeiro lugar que as lâmpadas não se quebrem até chegarem à unidade de reciclagem.

 

O processo de reciclagem agora instalado na Ambicare Industrial, S.A., no Parque Industrial da Mitrena em Setúbal, tem capacidade para tratar até 5 milhões de lâmpadas e consiste na trituração com separação mecânica e destilação levadas a efeito em três unidades distintas: 

 

- Triturador / Separador para lâmpadas fluorescentes tubulares; 

- Triturador para lâmpadas de bolbo e geometria diversa; 

- Destiladora onde se procede à destilação do mercúrio presente na globalidade dos elementos contaminados, com recuperação de mercúrio com 99,99% de pureza.

 

Todo este processo permite a valorização quase total dos componentes das lâmpadas: vidro (90%}, metal (8%}, mercúrio (0,1%}, e pó de fósforo (1,8%}.

 

O vidro reciclado é utilizado na indústria cerâmica, o metal é enviado para a siderurgia, o mercúrio é utilizado em diversas aplicações industriais, enquanto que o pó de fósforo resultante pode ser reciclado e reutilizado, por exemplo, na indústria de tintas.

 

Convém ainda referir que se espera também para breve a abertura de outra unidade de reciclagem de lâmpadas, ficando assim o país com capacidade para tratar todas as lâmpadas fluorescentes usadas. 

 

Lisboa, 4 de Novembro de 2003

 

Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

Contactos: Rui Berkemeier ou Pedro Carteiro - 217788473

 

 

 

Share

Quercus TV

 

Espreite também a Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb